Jornal Cidade - Uruaçu-GO
COLUNAS
AGENDA POLÍTICA
SOCIAL
RELIGIÃO
SABOR DA LEITURA
SAÚDE DO CORAÇÃO
ESPAÇO ESPÍRITA
ESPECIAIS
IMAGEM...
ACONTECIMENTOS
ESTREVISTAS
ARTIGOS
URUAÇU - HISTÓRIA
SERVIÇOS
FALE CONOSCO
SEJA ASSINANTE
SEJA ANUNCIANTE
INFORMES
EVENTOS
NOSSO JORNAL
EXPEDIENTE
WEBMAIL

 

 

 
SAÚDE DO CORAÇÃO
DR. JOÃO JOAQUIM DE OLIVEIRA
03-10-2017 05:10:14
A invasão da mediocridade

E assim foi tomando o seu (dela) lugar a digníssima mediocridade. Ela aproximou-se do erudito, do clássico, do mérito, da qualidade, do formalismo, do bom gosto e os escorraçou a todos. E tudo feito de modo insidioso e aderente. Aliás, tem essa senhora constituído até um sistema de governança, a mediocracia. E quem comanda são alguns próceres do sistema, os mediocrões e os mediocráticos.

O processo de mediocrização chegou a tão alta eficiência que ele permeia em todos os setores da vida social. Temo-lo na culinária ou gastronomia, na religião, nos gostos culturais (ou contraculturais), no entretenimento e, sobretudo, na política.

Na verdade a mediocridade não existe por si só. Alguém a traz bem definida e sustentada em seus hábitos, atitudes, condutas e comportamento. Ela passou a ser um estilo de vida e de apresentação.

Vamos objetivar e pontuar alguns modelos bem encontradiços da invasão ou vigência do sistema mediocrático.

Na arte musical por exemplo. O medíocre do sujeito, do nada se propõe a compor e cantar. Ele se tatua, se espeta de brincos e piercings, boné ao avesso, violão a tiracolo e começa a berrar com toda zoeira. As letras de suas músicas são aquele rosário de abobrinhas, umas frases sem nexos, que falam de drogas e sexo e outros termos desconexos. Aos poucos tais criações já estão no palco, no AM e FM e recursos de streaming.

E creiam, fazem sucesso e seguidores. E acham pouco? Continua a mediocridade. Daqui a pouco, tem empresa de mídia e televisão tocando ou contratando o intitulado (a) artista; e a venda e escores de tais esquisitices alcançam o topo das paradas de sucesso. Parada indigesta para o bom gosto é ter que engolir tais criações.

Agora no outro polo de tais famas estão os consumidores que fomentam tais medíocres. É a inserção, o pertencimento desses tais e quais ao sistema da mediocracia. Tal funcionalidade só se vinga pelos seus lídimos e legítimos representantes. Os mediocastros e castrados de algum valor.

No mundo das artes plásticas, na cenografia, do teatro e das ciências e letras. A mediocridade tem buscado o seu assento em todos os cenários da vida. Vida que chamam de modernidade. Ela parece não ter limites. O autor faz lá algumas compilações, notas biográficas e assentos e se arvora ao direito de escritor. Para esses tais bem que se podia criar uma academia brasileira dos imbecis (ABI). É muita presunção para zero de significação.

E não fica por aqui a influência da mediocrização. No âmbito profissional superabundam os mais variados tipos. Nenhum ramo do mercado escapa a tais e quais medíocres. Ainda há pouco eu deparei com um médico que formado (talvez deformado) numa tal uniesquina (faculdade de esquina) se propunha a curas nunca vistas e outras terapias sem embasamento científico. Fez-me tal tipo medíocre lembrar do Dr. Simão Bacamarte, da Vila de Itaguaí, que se encantou com um recanto da Medicina, o recanto cerebral e psíquico (leiam essa história em O Alienista, de Machado de Assis).

O mais que fiz foi resguardar alguns clientes do risco de acreditar em tais promessas de curas, só por leituras de outros charlatões.

E não fica apenas nessa classe de profissionais na arte da cura. Se a pessoa se der ao trabalho de procura, na certa muitos outros magarefes, mequetrefes, biltres e parlapatões hão de se encontrar pelos cantos e becos das cidades.

Por fim não se pode deixar de menção que essa assanhada e intrusiva senhora vem dominando a vida política brasileira. É ali, aliás, onde achou guarida e outras comparsas, entre essas a tão decantada e repulsiva corrupção. Destarte o que me resta é bradar em alto e bom som: morra a mediocridade nas cenas do Brasil!

DR. JOÃO JOAQUIM DE OLIVEIRA é especialista em Medicina Interna e Cardiologia, Assistente do Serviço de Cardiologia e Risco Cirúrgico no Hospital das Clinicas - Faculdade de Medicina / Universidade Federal de Goiás (UFG) - Goiânia-GO; membro Sociedade Brasileira de Cardiologia; e, estudante de Filosofia. Contatos: joaomedicina.ufg@gmail.com. Acesse: www.jjoaquim.blogspot.com.br

Histórico
  » 03-10-2017 05:10:14 - A invasão da mediocridade
  » 30-09-2017 20:09:05 - Medicina desumana - A robotização e desumanização da medicina
  » 03-09-2017 11:09:14 - A história da relação do homem com os alimentos
  » 15-08-2017 21:08:47 - O retrocesso na educação de nossos jovens
  » 02-08-2017 03:08:30 - Educação uterina
  » 13-07-2017 12:07:39 - Crack... A Tragédia da Narcodependência (Maconha, Crack) na Cracolândia de São Paulo
  » 30-06-2017 10:06:45 - Álcoolatria – Alcoolismo e doenças cerebrovasculares
  » 15-06-2017 23:06:14 - Vendilhões dos feriados – O mercado dos feriados civis e religiosos
  » 03-06-2017 09:06:26 - Delações e dilações...
  » 24-05-2017 11:05:03 - Antifinalidade das pessoas – Pessoas e coisas sem finalidade
veja o histórico completo
  Untitled Document
Enquete

Você é a favor da delação premiada?

   Sim
    Não

    Votar

    Parcial

Consulta entre 1º e 31 de outubro/2017
Google
Google