Jornal Cidade - Uruaçu-GO
COLUNAS
AGENDA POLÍTICA
SOCIAL
RELIGIÃO
SABOR DA LEITURA
SAÚDE DO CORAÇÃO
ESPAÇO ESPÍRITA
ESPECIAIS
IMAGEM...
ACONTECIMENTOS
ESTREVISTAS
ARTIGOS
URUAÇU - HISTÓRIA
SERVIÇOS
FALE CONOSCO
SEJA ASSINANTE
SEJA ANUNCIANTE
INFORMES
EVENTOS
NOSSO JORNAL
EXPEDIENTE
WEBMAIL

 

 

 
REGIONAIS
23-05-2017 20:05:34
Mercado – Agronegócio ainda beneficia PIB ao longo do ano

De acordo com o IBGE, o carro-chefe desta recuperação será a safra de grãos, estimando uma produção de 26,2%, maior este ano na comparação com 2016 – Foto: Fredox Carvalho/Faeg

 

O desempenho do setor agropecuário será o principal responsável pelo crescimento esperado para o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre deste ano. Mas as boas notícias vindas do campo não devem ficar restritas aos três meses iniciais. De acordo com especialistas, a expectativa é que fatores como o clima e a baixa base de comparação, em relação a 2016, continuem dando frutos até dezembro, fazendo com que a produção agrícola cresça, na pior das estimativas até agora, 6%.

As próprias denúncias deflagradas contra o presidente da República, Michel Temer (PMDB), que têm o potencial de abortar a recuperação econômica do País, podem ter até efeito oposto na agropecuária. Conforme diz o consultor técnico da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Pedro Arantes, a previsão é que o setor agropecuário continue apresentando resultados expressivos. Baseado nas safras agrícolas e graças às boas condições climáticas. “O agro ainda é o carro-chefe da economia brasileira. Ele é quem alavanca o PIB, com destaque, principalmente, nas culturas de milho e soja. Apenas aos preços das commodities milhos e soja que tiveram queda nos preços quanto comparada ao ano passado”, pontua o especialista.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o carro-chefe desta recuperação será a safra de grãos, estimando uma produção de 26,2% maior este ano na comparação com 2016, chegando a 233,1 milhões de toneladas. Para o presidente Nelson Rocha Augusto, do Banco Ribeirão Preto (BRP), o crescimento é quase tão grande quanto as 56 milhões de toneladas de soja produzidas anualmente na Argentina. As regiões que mais se beneficiarão, caso os resultados positivos sejam confirmados, serão Centro-Oeste e o interior de Estados, como Paraná e Santa Catarina.

 

Resultados

A expectativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é que a produção aumente 15,4% em relação a 2016. De acordo com a consultoria Tendências, mais de 75% do crescimento esperado para o PIB deve vir da agropecuária. Até quinta-feira (18), a consultoria estimava alta de 0,3% da atividade neste ano, mas o número ganhou um viés de baixa depois da crise política instalada pela delação premiada da JBS. A consultoria tem estimativa de alta de 8% para o PIB agrícola neste ano, mas já planejava revisá-la para cima.

A partir de meados do segundo trimestre, com ainda mais força no terceiro, é o milho quem deve puxar o carro, com alta de 40% em relação ao ano passado. “A safrinha virou safrona”, disse Hausknecht, da MB Agro. Somados, milho e soja representam 89% da produção de grãos. Parte dessa recuperação se deve ao clima. Se em 2016 o regime desfavorável de chuvas gerou quebras de safra, em 2017 a situação é oposta. “Neste ano, choveu no lugar certo, na hora certa”, disse Rocha Augusto, do BRP.

Outro fator que influenciou esse crescimento foi a alta dos preços, que, justamente em função das quebras de safra do ano passado, incentivou os agricultores a ampliarem a área de plantação. Em 2016, o PIB agrícola caiu 6,6%. As estimativas do boletim Focus para este ano estão em alta de 6%, mas o BRP calcula aproximadamente 6,5% e a Tendências espera 7%.

A supersafra de milho e soja terá ainda efeitos indiretos para o interior do País. Um deles é que a grande oferta desses itens, principais insumos para a ração de animais, barateará a produção bovina. “As perspectivas para a carne são muito boas”, disse Novaes, da Tendências. O setor foi levemente abalado pela operação Carne Fraca, no fim de março, mas deve voltar com força nos próximos meses. Segmentos como a fabricação de máquinas agrícolas, transportes e serviços têm tudo para ser alguns dos mais beneficiados. “Uma safra dessas pode não dinamizar a região metropolitana de São Paulo ou do Rio de Janeiro”, disse Felippe Serigati, professor do MBA em Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV). “Mas, sem dúvida alguma, no interior do País quem carrega o ‘piano’ é o setor agropecuário.”

(Fonte: jornal Valor Econômico [São Paulo-SP]. Com informações da Faeg)

Histórico
  » 24-08-2017 11:08:53 - Comissão sobre Economia Colaborativa tem o deputado Thiago Peixoto como relator
  » 23-05-2017 20:05:34 - Mercado – Agronegócio ainda beneficia PIB ao longo do ano
  » 20-04-2017 10:04:44 - Goiás avançou três posições no ‘ranking’ de escolaridade média
  » 09-02-2017 16:02:26 - Uruaçu – Gestão Valmir Pedro faz balanço dos 30 primeiros dias
  » 13-05-2016 09:05:01 - Nature Poços Artesianos investe em treinamento, beneficiando funcionários e clientes
  » 07-04-2016 09:04:12 - Eunice: ‘Nós merecemos uma cidade melhor’
  » 11-03-2016 09:03:01 - Machadinho: ‘A honestidade é a maior riqueza que eu recebi e quero passar’
  » 28-02-2016 18:02:10 - Weder Ribeiro: ‘Sou soldado para defender a bandeira do Sindicato Rural’
  » 30-01-2016 11:01:20 - Instituto Yamana reforça ações para aprimorar qualidade de ensino na região
  » 16-11-2015 23:11:04 - Clientela beneficiada através de intercâmbio entre Nature Poços Artesianos e Franklin Electric
veja o histórico completo
  Untitled Document
Enquete

Você é a favor da delação premiada?

   Sim
    Não

    Votar

    Parcial

Consulta entre 1º e 31 de outubro/2017
Google
Google